10 de jun de 2012

Em jogo morno, Cruzeiro faz dever de casa e vence Sport em Varginha


O torcedor cruzeirense que compareceu neste domingo, no estádio Melão, em Varginha, no Sul de Minas Gerais, acompanhou um jogo fraco tecnicamente entre Cruzeiro e Sport , mas pôde comemorar a segunda vitória celeste no Campeonato Brasileiro. A Raposa superou o Leão por 1 a 0 e chegou aos oito pontos na competição nacional, contra cinco dos pernambucanos. O gol do jogo foi anotado por Wellington Paulista cobrando pênalti.


Depois do bom segundo tempo da equipe celeste na partida contra o Botafogo, o técnico Celso Roth, resolveu manter o time que conseguiu a reação contra os cariocas, e dessa forma, a Raposa abriu mão de um volante para entrada do atacante Fabinho. No Sport, Vágner Mancini reencontrou o Cruzeiro, clube que dirigia há até um mês, e teve trabalho para montar o Leão, devido aos desfalques.

Na sequência do Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro, quinto colocado do Nacional, vai encarar o Figueirense, na partida que deverá marcar a estreia do time celeste no novo estádio Independência. Já o Sport, que aparece em 11º, terá compromisso diante do Bahia, no próximo domingo, em jogo marcado para o estádio de Pituaçu.

O jogo 


Mesmo atuando fora de casa, o Sport iniciou o confronto contra o Cruzeiro equilibrando as ações e impedindo as investidas mais agudas da Raposa. Após os dez primeiros minutos, o time celeste passou a ter maior volume de jogo, criando boas jogadas, principalmente com Montillo, que voltou a atuar como armador.

Sentindo a pressão cruzeirense, o time pernambucano passou a marcar atrás da linha da bola e procurou as jogadas de contra-ataque. Com o Sport compactado no campo de defesa, o Cruzeiro conseguia conduzir a bola até o meio-campo sem ser ameaçado, mas depois de ultrapassar a linha divisória esbarrava nas dificuldades de penetração, o que resultou em uma quantidade pequena de chances reais de gol.

Como o contra-ataque dos visitantes não encaixava, os jogadores do Sport passaram a tentar os arremates de média e longa distância, mas sem sucesso. Aos 21 minutos, o chute de Rithely saiu forte, porém o goleiro Fábio apenas acompanhou a saída de bola no canto direito. A resposta celeste veio aos 26, com cruzamento de Montillo, mas o volante Tinga chegou atrasado no lance.

Com a marcação prevalecendo sobre os ataques, a partir dos 30 minutos a partida ficou extremamente disputada no meio-campo, com muitas faltas e poucas jogadas criativas. Aos 40, o Cruzeiro conseguiu um bom ataque pela esquerda com Fabinho, que foi à linha de fundo e cruzou para área, mas Tinga finalizou mal, perdendo a melhor chance da etapa inicial.

Na volta para a etapa complementar, o Sport começou mais agressivo, e logo aos dois minutos, Marquinhos Gabriel perdeu a melhor chance do jogo, com a zaga celeste salvando chute cruzado em cima da linha. A resposta do time mineiro veio dois minutos depois com uma conclusão de Wellington Paulista, que o goleiro Magrão trabalhou bem para fazer a defesa.

Com as duas equipes mais dispostas a jogar futebol, a partida ganhou em velocidade, gerando alguns lances de emoção para a torcida de Varginha. Aos dez minutos, o time pernambucano conseguiu excelente trama ofensiva que terminou com Felipe Azevedo saindo na cara de Fábio, que operou milagre para salvar a meta cruzeirense. Sentindo o bom momento do Sport, Celso Roth resolveu mexer na Raposa, deixando o time mais ofensivo ao sacar Tinga para entrada de Anselmo Ramon.

Aos 20, a mudança quase surtiu efeito, mas Anselmo Ramon se atrapalhou dentro da área e permitiu a chegada da marcação, que evitou gol celeste. A jogada deu moral para a Raposa, que passou a pressionar mais o time de Vágner Mancini, e, aos 24, o lateral Everton foi derrubado dentro da área. O árbitro paulista Raphael Claus não titubeou e marcou pênalti para o Cruzeiro.

O avante Wellington Paulista foi para a cobrança e deslocou o goleiro Magrão, anotando o gol celeste no estádio Melão em Varginha. Aos 28, os donos da casa quase ampliaram o placar com Anselmo Ramon, que ganhou da zaga em velocidade e finalizou cruzado, mas errou o alvo. Em vantagem no marcador, o Cruzeiro continuou atacando e não deu chances de reação para o Sport, que amargou a derrota.

GAZETA