30 de nov de 2012

Martinuccio apoia torcida única e relembra clássicos que disputou


O atacante Martinuccio jogará o primeiro clássico contra o Atlético-MG. E o ambiente será hostil para o cruzeirense. Afinal, apenas a torcida alvinegra vai comparecer ao estádio Independência. A partida é neste domingo, às 17h (de Brasília). O argentino, no entanto, disse considerar o fato um ponto positivo para o Cruzeiro, desde que o time celeste saiba usar a pressão a favor, e destacou o bom momento em que a equipe chega para o jogo.
- Na Argentina, na Série B, acontece muito problema, a torcida briga muito, e a AFA (a CBF local) falou que na B, no clássico, só vai uma torcida. Eu gosto. Acho que a pressão vai ser para eles. Joguei muitos clássicos, mas acho que aqui contra o Atlético vai ser diferente. E acho que para o Cruzeiro é melhor que a torcida seja atleticana.
Martinuccio lembrou os clássicos que jogou por outros clubes e arrancou risos dos jornalistas ao lembrar os problemas para os derrotados na Argentina. Segundo ele, a torcida lá extrapola os limites e, às vezes, até os carros dos atletas pagam por isso.
- Joguei vários (clássicos). Nacional e Peñarol, Fla-Flu, joguei Série B, na Argentina e clássico na Espanha. No Uruguai é difícil. Serie B, na Argentina, pior. É verdade. Se a gente não ganha a torcida fica brava, e o carro fica todo ruim. Mas eu ganhei mais que perdi. 
Destaque do Cruzeiro nesta reta final de Brasileirão, o argentino destacou a necessidade de terminar a temporada com uma vitória sobre o maior rival. 
- Eu sempre falei que no jogo Atlético-MG e Cruzeiro não importa se a gente joga bem ou não. A gente tem que ganhar. Se eu fizer gol ou outro companheiro, se ganhar, vou ficar contente. Se for fazer gol, melhor. Mas o mais importante é ganhar.